Archive for category Artigos

Web social de viajantes chega ao Brasil

Para três de cada quatro viajantes, a melhor forma de decidir o próximo destino é através dos conselhos de outros viajantes. Dentro do perfil do viajante moderno, vale ressaltar que 76% são resistentes à publicidade e 34% utilizam a internet como canal de informação para definir a viagem. É nesse contexto de fortalecimento do segmento de turismo que será lançada no Brasil, nesta terça-feira (26), a web social de viagens minube, eleita pela Apple como melhor aplicativo de 2011 na Espanha – superando gigantes como Instagram – com mais de 30 milhões de visitas por ano e mais de 450 mil viajantes cadastrados. O aplicativo já registra mais de 650 mil downloads em menos de um ano e é líder nas viagens sociais na web, por trazer recomendações de viajantes reais. O lançamento da rede será feita durante o encontro The App Date, que reúne interessados nas conexões, ideias e investigações sobre o mundo dos aplicativos em São Paulo. O espanhol Pedro Jareño, co-fundador do minube, estará presente no evento.

A nova edição brasileira que será lançada no dia 26 de Junho de 2012 permite aos viajantes acessar o aplicativo em português e encontrar pessoas que falam o mesmo idioma, além de usufruir do conteúdo criado por viajantes de diversas nacionalidades. Qualquer pessoa pode se registrar na web ou através do aplicativo móvel gratuitamente e criar os seus Lugares Favoritos, aqueles que nenhum viajante deveria deixar de conhecer. Graças aos aplicativos móveis este processo pode ser realizado em qualquer momento, inclusive sem conexão à internet. Assim, o usuário pode recomendar, compartilhar e criar guias de viagem personalizados quando quiser.

minube  

A possibilidade de participar de uma comunidade de viajantes similares com perfis distintos sem importar o idioma e o lugar de procedência é o grande trunfo do minube. As recomendações presentes na web – feitas em tempo real – permitem reinventar a maneira de compartilhar experiências e a forma de preparar e viver futuras viagens. A inovação da web social começa com a inspiração dos viajantes sobre seus próximos destinos a partir da recomendação de viajantes reais. Eles podem acessar informações de 200 países e 22.000 cidades, recomendadas por turistas que falam português, espanhol, francês, italiano, alemão e outras línguas. É possível também ver mais de 600.000 fotografias e aproximadamente 9.000 vídeos originais sobre lugares fascinantes mundo afora. O minube surgiu na Espanha em 2007 e lançou o seu aplicativo em 2011. Desde então, a web social foi premiada cinco vezes por grandes nomes do mundo digital, como a Apple e como o próprio evento The App Date, em Madrid.

Serviço:
Lançamento do minube Brasil
Dia e hora: 26 de junho, às 20h
Local: The App Date – Hub São Paulo, Rua Bela Cintra, nº 409
Contato: Ludmy Paiva, Internationalization Manager do Minube Brasil, 011 – 86861788, ludmy@minube.com

Fonte: Tinno


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

, , , , , , , , , ,

Comments

Softwares para sistemas educacionais são solução para fraudes

Tecnologia pode garantir êxito na resolução de impasses do sistema educacional, como aplicação de provas em larga escala

 A adoção de um dispositivo inédito de diplomas com certificação digital pela Universidade de São Paulo (USP) sinaliza a tendência de se utilizar tecnologia como ferramenta contra fraudes em sistemas educacionais. A aprovação do diploma digital pelo Conselho Estadual de Educação de São Paulo abre portas para que novas instituições utilizem a tecnologia, com objetivo de evitar a falsificação dos documentos no momento de adesão a processos seletivos. Ao mesmo tempo, problemas com fraudes em provas aplicadas em larga escala e em concursos públicos também parecem ter encontrado uma solução: a tecnologia. Softwares como o Sistema de Gestão de Provas (SGP), desenvolvido para o gerenciamento de todo o processo de produção e aplicação de provas, garante a elaboração de testes individualizados para grande número de pessoas, economia de gastos e impossibilidade de fraudes.  Ele é utilizado por instituições como Fundação Getúlio Vargas e PUC Minas, entre outros.

 O sistema revolucionou os métodos tradicionais de fazer provas e pode beneficiar mais de 18 mil estudantes de ensino médio, graduação e candidatos de concursos públicos. Com o SGP, a elaboração das provas é feita pelos professores dentro da plataforma do próprio sistema, que pode ser realizado de forma online ou offline. Dessa forma, podem ser criados critérios de distinção entre as provas, como alterar a ordem das questões e das alternativas de acordo com os perfis dos alunos. Todas as páginas são identificadas com os dados de cada estudante, o que impossibilita a troca das folhas durante o exame.

 Nos casos de elaboração de provas para concursos ou Enem, o sistema conta com banco de dados que garante provas individualizadas para milhares de alunos, além de criar restrições de acessos às questões a cada professor, evitando que ocorram vazamentos. Isso significa que as provas podem se manter protegidas no sistema até que sejam impressas e entregues ao aluno minutos antes da aplicação. O armazenamento digital também evita atrasos, elimina os riscos de as provas serem extraviadas e servem de documento em casos de questionamentos internos ou jurídicos. De acordo com o CEO da Starline, empresa responsável pelo SGP, Adriano Guimarães, o processo também garante até 35% de economia no processo formal de despesas logísticas das instituições, no que diz respeito à produção das provas, transporte, impressão, logística e organização.

 Como prova da eficácia da tecnologia frente às possibilidades de fraudes no sistema de ensino, a Starline desenvolve, desde o início de 2012, projetos piloto para aplicação do SGP na realização de concursos públicos de grandes instituições em São Paulo.  O produto passa por inúmeros testes de hackeamento com sucesso, o que comprova a segurança da sua aplicação. O diferencial inovador e o caráter competitivo dos produtos também já abrem as primeiras portas da empresa no exterior.

Fonte: www.tinno.com.br


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

, , , , , , , , , , , ,

Comments

PlayOnLinux – Execute aplicações do Windows no Ubuntu

Caso seja um utilizador novo do Ubuntu ou até já com algum tempo de utilização deste Sistema Operativo, de certeza que a certa altura necessitou de utilizar um programa apenas disponível para Windows. Este é um problema recorrente e, por vezes, a solução não é a mais simples. Nesse sentido apresento o PlayOnLinux.

O PlayOnLinux é um derivado do programa Wine, criado com o objectivo de retirar do utilizador a necessidade de lidar com a complexidade do Wine. Desta maneira poderá instalar os seus programas preferidos em poucos cliques e o PlayOnLinux tratará de todas as configurações e modificações necessárias ao Wine sem que o utilizador sequer note as mudanças.

Mas a principal característica deste programa é a enorme quantidade de programas suportados e todos agrupados numa lista simples de utilizar e verificar. Deste modo o utilizador saberá de antemão se um programa já é, ou não, suportado pelo Wine previamente à instalação.

 

Instalação

Antes de instalar o PlayOnLinux é recomendável que tenha primeiro instalado a versão mais recente do Wine. Desta forma poupará algum tempo na instalação do PlayOnLinux e como irá instalar a versão mais actual também irá corrigir bastantes erros existentes em versões anteriores.

A instalação da última versão do Wine, pode ser facilmente efectuada via terminal (Aplicações →Acessórios →Consola) com o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:ubuntu-wine/ppa && sudo apt-get update && sudo apt-get install wine1.3

A instalação do PlayOnLinux, para agilizar o processo, também é executada via terminal (Aplicações→Acessórios→Consola) e adicionará ao seu sistema o repositório que lhe permitirá ter o programa sempre na versão mais actual. Primeiro, deve ter em atenção que este método apenas funciona nas versões mais conhecidas e actuais do Ubuntu, portanto, veja se o seu Ubuntu está na lista seguinte:

  • Ubuntu 10.10 (Maverick Meerkat)
  • Ubuntu 10.04 LTS (Lucid Lynx)
  • Ubuntu 9.10 (Karmic Koala)
  • Ubuntu 8.04 LTS (Hardy Heron)

Tendo em conta que o seu Ubuntu é um destes referidos, então, no terminal, escreva o seguinte:

wget -q “http://deb.playonlinux.com/public.gpg” -O – | sudo apt-key add – && sudo wget http://deb.playonlinux.com/playonlinux_$(lsb_release -cs).list -O /etc/apt/sources.list.d/playonlinux.list && sudo apt-get update

Depois do processo de instalação do repositório estar concluído, deverá instalar o PlayOnLinux executando o seguinte comando no terminal ou clicando no botão seguinte:

sudo apt-get install playonlinux

 

Configuração

Na primeira vez que iniciar o PlayOnLinux terá de executar alguns passos de forma a configurar o programa. Nas duas primeiras opções que lhe são dadas bastará clicar em avançar, o PlayOnLinux irá procurar na Internet por actualizações e caso seja necessário irá actualizar o programa.

Caso ainda não tenha instalado o tipo de letra utilizado pela Microsoft o PlayOnLinux abrirá uma janela a perguntar se as deseja instalar, recomendo que o faça para um melhor aspecto nas aplicações que instalar futuramente.

Todo o resto da instalação deverá decorrer normalmente e sem mais nenhuma surpresa.

 

Mais Informação

De agora em diante sempre que quiser instalar um aplicativo do Windows no Ubuntu verifique primeiro se está disponível na lista do PlayOnLinux. Para tal, abra o programa (Aplicações→Jogos→PlayOnLinux), seleccione a opção “Instalar” e procure pelo programa que deseja.

Caso o encontre seleccione-o e clique na opção “Aplicar“. Verá agora o assistente do PlayOnLinux que o ajudará durante a instalação para que o programa fique o mais bem instalado possível.

No final da instalação o programa ficará disponível para execução na janela principal do PlayOnLinux, bastará clicar nele e escolher a opção “Executar” para o utilizar.

Com o PlayOnLinux testado com sucesso, poderá agora utiliza-lo no caso de querer trabalhar com programas não disponíveis para o Ubuntu, tal como eu utilizei para instalar o Steam. A lista de programas disponíveis aumenta quase diariamente, no caso de não encontrar ainda o programa que pretende, poderá comunicar à equipa do PlayOnLinux no seguinte web site:

PlayOnLinux – Website Oficial

Fonte: http://ubuntued.info/

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

, , , , , , , , , , , , ,

Comments

Hackers quebram criptografia SSL usado por milhões de sites

Pesquisadores descobriram uma fraqueza séria em praticamente todos os sites protegidos pelo protocolo Secure Sockets Layer que permite que atacantes  silenciosamente consigam descriptografar dados que estão passando entre um servidor web e um browser do usuário final.

A vulnerabilidade reside nas versões 1.0 e anteriores do TLS, ou Transport Layer Security, o sucessor da tecnologia de secure sockets layer que serve como base de confiança da internet . Embora as versões 1.1 e 1.2 do TLS não serem suscetíveis ao ataque, elas, quase que totalmente, não são suportadas em browsers e sites, fazendo transações criptografadas no PayPal, GMail, e quaquer outro web site vulnerável a escutas por hackers que são capazes de controlar a conexão entre o usuário final e no site ele está visitando.

Na conferência de segurança Ekoparty em Buenos Aires, os investigadores tailandeses Duong e Juliano Rizzo planejam demonstrar a prova de conceito do código chamado BEAST, que é curto para um Exploit no Navegador Contra SSL / TLS. O código trabalha com um sniffer de rede para descriptografar os cookies criptografados será usado um site alvo para conceder acesso a contas de usuário restrito. O exploit funciona mesmo contra sites que usam HSTS ou Segurança de Transporte HTTP Strict, o que impede certas páginas de carregar a menos que estejam protegidos por SSL.

Fonte: http://news.hitb.org

 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

, , , , , , , , , , , , ,

Comments

Entendendo a criptografia RSA – parte II

Dando sequência ao primeiro post (Entendendo a criptografia RSA – Parte 1), vou explicar como são feitos os cálculos envolvendo multiplicação em matemática modular e mostrar algumas propriedades interessantes. A intenção é completar a base de conhecimento para compreensão da matemática envolvida na criptografia RSA. Mas é bom frisar que, para tornar a explicação compreensível a todos, algumas particularidades serão ignoradas.

A multiplicação na matemática modular pode ser feita de uma maneira muito simples se os módulos forem calculados antes. Por exemplo, calcular 351 x 437 (mod 10) poderia ser complicado se formos calcular 351x 437 e só depois achar o resto módulo 10. Para isso, teríamos que calcular 351x 437 = 153.387 e só depois achar 153.387 (mod 10) = 7. Calculando os módulos antes, teríamos 351 (mod 10) = 1 e 437 (mod 10) = 7., ou seja, nossa conta se resume a 1 . 7 = 7 (mod 10). Apesar de eu ter escolhido o módulo 10 para tornar mais fácil a visualização, fica também nítida a redução na complexidade dos cálculos se quisermos achar 12.243 x 626 (mod 12) porque podemos calcular 12.243 (mod 12) x 626 (mod 12) e nossa conta se resume a achar 3 x 2 = 6 (mod 12).

Por consequência direta, as contas com potências também podem ficar bastante simplificadas. Para isso, precisamos usar algumas estratégias de cálculos a fim de reduzir o expoente ou transformar as contas em sucessivas multiplicações como a anterior. Por exemplo, calcular 24123.495.876mod 23seria praticamente impossível sem o uso de programa específico de computador, mas podemos fazer as contas de cabeça se usarmos o fato de que 24 = 1 (mod 23). Isso simplifica o cálculo e nos permite ver rapidamente que o resultado é 1. Outro exemplo seria calcular de cabeça 35(mod 7). Transformando em sucessivas multiplicações, teríamos:

  • 3×3=2(mod 7), ou seja, 32= 2(mod 7);
  • Como 33=32x3, podemos fazer 33=2×3=6(mod 7) e seguir até 35;
  • Mas podemos usar que 35=32x32x3 e teríamos 35=2x2x3(mod 7), resultando em 35 =4×3=5(mod 7)

São simplificações como essas que permitem aos computadores calcularem potências cujos expoentes são números com mais de 300 algarismos, o que seria impraticável em tempo hábil se as contas fossem feitas da maneira que estamos acostumados.

Como lidamos com números inteiros e as divisões nem sempre têm resultados inteiros, essa operação não existe em matemática modular. Isso é contornado com o uso do inverso multiplicativo que nada mais é do que encontrar um número a que, multiplicado por seu inverso b, seja igual a 1 (mod c). Em breve falarei de meios eficientes de se encontrar o inverso de um número mas, para entender o funcionamento da RSA, basta saber que a . b = 1 (mod c) implica que a é o inverso multiplicativo de b módulo c e vice-versa.

Se você entendeu o que foi dito nestes dois post da série, já está apto a entender porque a RSA funciona e, ainda, ter um noção dos motivos de sua eficiência. Portanto, no próximo post falarei exatamente sobre isso. Espero que, como eu, você fique maravilhado com a simplicidade da ideia frente à sua eficiência.

Fonte: http://dascoisasqueaprendi.com.br/

Entendendo a criptografia RSA – Parte 1

 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

, , , , , , , , ,

Comments